Aula de pilates, como melhorar? O número de instrutores do método Pilates aumenta a cada dia em todo o país. A oferta de cursos de formação rápida e de studios nas cidades faz com que a concorrência entre os profissionais seja cada vez maior. Diante desse cenário, a capacitação qualificada e o constante aperfeiçoamento se tornam cruciais para manter-se em destaque nesse mercado.

Acredito que duas coisas são principais para qualquer instrutor: treinar o método e o seu olhar. É preciso sentir no próprio corpo os exercícios, os princípios que forjam o método e, com a prática contínua, sentir a evolução e as mudanças que ele provoca.

Mulher realizando aula de pilates no reformer

Para mim, essa é uma das melhores formas de se estudar Pilates. Treinar com um professor que corrija, te mostre outros ângulos dos exercícios e do seu corpo. Além do treino físico, é de extremo cuidado o treino do olhar.

Cada pessoa precisa de um ajuste distinto, uma adaptação, uma “forma” pessoal, mesmo que você trabalhe com o método clássico. Os exercícios podem ser os mesmos na sua sequência, porém, os corpos são distintos e, por isso, precisam ter um olhar singular e único.

A seguir citarei algumas dicas básicas que podem ajudar a melhorar o nível das suas aulas, para que você possa ser sempre um instrutor melhor.

Voz de comando na aula de pilates

A voz de um instrutor de Pilates deve ser de comando. Use palavras claras, que sejam efetivas e tenham intenção simples que o aluno possa entender. Você pode usar termos complexos como cóccix, escápulas, esterno, contanto que você ensine ao seu cliente o que é cada um deles. Lembre-se que você é um profissional do método, então, não tenha receio de dizer “flexione” e “estenda” a coluna por exemplo. Cuidado para não dar comandos verbais em excesso. O silêncio também é preciso, pois exige que você se concentre mais no corpo e nas suas ações.

Dicas para potenciar os exercícios:

O instrutor formado em um curso de pilates deve usar dicas com o objetivo de aprimorar e melhorar os exercícios, além de desenvolver mais controle, concentração e consciência corporal em seus clientes. Respeite o tempo de cada pessoa para aprender o método, pois muitas informações podem gerar confusão e fazer com que ela pare de de treinar. As dicas devem ser corretas conforme o nível de cada um e devem ser ditas no momento certo.

Peça sempre que o aluno ative a musculatura abdominal. Uma dica é pedir que essa contração ocorra “para dentro e para cima”. Isso evita assim a manobra de Valsalva, um erro bastante comum que os clientes cometem.

O mais importante é…

Observe sempre o alinhamento da cintura escapular. A maior parte dos alunos compensa os exercícios e provocam tensōes nos ombros quase sempre nos movimentos de flexão de tronco e elevação de membros superiores, sejam com ou sem carga. Oriente que as escápulas deslizem pelas costas.

Ensine seu aluno a conexão da linha média corporal, que é uma linha central no corpo que une as coxas. É como se tivesse um zíper desde o calcanhar até o topo da cabeça, unindo todo corpo ao centro.

Atente-se para alinhar a caixa corporal. Antes de iniciar qualquer movimento peça a seu cliente que perceba se todo seu corpo está centralizado, seja no mat ou em um equipamento. Ensine-o a fazer um escaneamento corporal, e que observe se todos os pontos da coluna e dos pés estão apoiados, se os ombros e os quadris estão alinhados uns com os outros, se a cabeça está em boa posição. Só então, corrija a postura dele. Deixe-o primeiro ter a consciência do seu corpo.

Ensine seu cliente a expandir a força do powerhouse. Isso pode ser feito com comandos simples, como “alongue seu corpo em direção ao teto”, “cresça sua perna em direção à parede”, “alcance o teto com a coluna”.

Explore as forças de oposição. Elas potencializam muito o exercício. Por exemplo: “eleve a perna enquanto ancora mais o quadril no mat”, “cresça o topo da cabeça para trás e os calcanhares para frente”, “arredonde a coluna para frente e mantenha o cóccix firme no mat”.

Toque na aula de pilates

No curso de pilates em Porto Alegre eu ensino que o toque deve ser uma ferramenta de correção, portanto exige cautela. Ele é muitas vezes prático para o instrutor, porém, pode não ser efetivo para um determinado exercício ou cliente. Quando optar pelo toque tenha a certeza de que suas mãos estimulam o cliente a se posicionar corretamente e a fazer a força correta. O toque também pode ter o objetivo de guiar o movimento e gerar as forças de oposição no corpo. Lembre-se que o toque sempre deve ser efetivo. Não toque o cliente se não houver necessidade e não faça o exercício por ele.

Imagens na aula de pilates

A mente move o corpo, então seja criativo em suas aulas usando imagens que possam extrair mais qualidade de movimento. Dependendo da imagem e do que ela representa para o cliente você consegue uma potencialidade maior no exercício. Exemplos: “imagine que você é uma seta”, “é como se você estivesse remando”.

Integração na aula de pilates

Sempre observe seu cliente como um todo. Enquanto músculos são acionados para movimentar certas partes do corpo, outros são acionados para estabilizar, desenvolvendo um corpo uniformemente forte e equilibrado.

Posicionamento do instrutor

Posicione-se de uma forma que o cliente veja e ouça você. Busque estar sempre com ele física e mentalmente. Nas aulas em dupla ou pequenos grupos, procure não ficar de costas para ninguém. Mova-se para visualizar o movimento de vários ângulos.

Energia na aula de pilates

A jornada de trabalho de um instrutor de Pilates é intensa. As sessoēs ou aulas exigem que o profissional esteja atento toda a parte do tempo. Isso gera um grande desgaste físico e mental. Procure dar um intervalo de 10 minutos entre um cliente e outro. Esse é um tempo importante para você se reestabelecer energicamente, tomar uma água, se alimentar, sentar e ir ao banheiro. Preste atenção na sua rotina diária. Seu último atendimento do dia tem a sua mesma energia e dedicação que o último? Se sua resposta foi NÃO, está na hora de você rever algumas questões.

Em conclusão…

Ensinar é um dom. Seja paciente com seu cliente e entenda o tempo dele de aprendizagem. Alguns serão iniciantes por um longo período. Tenha carinho por ele, preocupando-se com suas necessidades, dificuldades e limitações. Transmita segurança sempre e faça-o confiar em você. Saiba usar o método Pilates com toda a sua profundidade e seja claro nas suas informações, tornando os exercícios mais fáceis de serem compreendidos. Isso será o seu diferencial!

Ge horak, fisio e professora de pilates

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *